[CIÊNCIA COMPLETA]

Ciclo hidrológico, disponibilidade hídrica e conservação do solo e da água

Imagem de um cubo de gelo derretendo

O que é ciclo hidrológico?

O ciclo da água, conhecido como ciclo hidrológico, se refere a forma como a água flui pelo planeta de forma perpétua e cíclica, mantendo-se em mesma quantidade mas se transformando em diferentes estados físicos e participando de diferentes reações químicas e bioquímicas.

Leia também:

Como funciona o ciclo hidrológico?

Veja um mapa mental sobre o ciclo hidrológico no fim deste artigo!

O ciclo da água se inicia através da evapotranspiração, ou seja, da água que parte para atmosfera em forma de vapor através da evaporação provocada pelos raios solares, da combustão e de diversos processos provocados pelo ser humano, assim como da transpiração dos seres vivos.

A evapotranspiração consiste na evaporação e na transpiração das plantas

Este processo consiste basicamente na passagem de moléculas de água que estão aderidas mais proximamente umas das outras (constituindo um estado líquido) para a atmosfera, onde as moléculas de água permanecem afastadas entre si, dispersas na atmosfera, constituindo estado gasoso. Este processo depende do contato e da cinética existente entre as moléculas de água e a atmosfera (o vento ou agitação das moléculas ocasionado pelo calor), além da concentração de água na atmosfera que dependendo de sua saturação pode reter mais ou menos vapor.

Rios voadores!

Esta água na atmosfera representa a umidade do ar e pode se condensar, formando as nuvens. Todo esse ar cheio de água pode ser movimentado pelos ventos, as chamadas massas de ar, que quando transportam muita água são denominados rios voadores, transportando toda essa umidade para outros lugares e proporcionando que haja vida em diversos lugares.

Formação das nuvens

A água da atmosfera retorna para superfície através da condensação que forma as nuvens e que vão formar a chuva, ou a neve em locais e épocas mais frias. Entretanto, muitas vezes a condensação d’água ocorre na atmosfera de maneira diferente do que se imagina.

Ao final de um banho por exemplo é comum que as paredes de seu banheiro estejam molhadas, isso ocorre porque o ambiente (seu banheiro) já está saturado de vapor d’água, a atmosfera do seu banheiro está tão cheia que não suporta mais água, por isso ela se condensa nas paredes e no espelho. Já na atmosfera do planeta não é bem assim que ocorre, seria impossível e economicamente inviável evaporar a água ao ponto de saturar a atmosfera para formar as nuvens, toda essa umidade se dispersaria pelo planeta e não seria concentrada, condensada em nuvens. Porque o mundo não tem paredes, como o banheiro, que limitam o vapor para um espaço pequeno, fazendo com que a atmosfera do seu banheiro fique saturada.

Então como as nuvens se formam?

Elas são formadas graças a outras substâncias chamadas substâncias higroscópicas, substâncias capazes de atrair água para se diluir, como o sal de cozinha e a sílica. Diversas são as substâncias higroscópicas e por concentrarem a água perto de si acabam formando as nuvens de chuva. Através deste conhecimento foram criadas substâncias artificiais e graças a isso hoje é possível provocar chuva artificialmente em um local, sem ter que dançar a dança da chuva.

Substâncias higroscópicas são substâncias que atraem água para perto de si, provocando a condensação da água atmosférica

Essas substâncias higroscópicas se manifestam através do sal presente nos oceanos, que são liberados em pequena quantidade na atmosfera e formam as nuvens em regiões oceânicas, formando chuvas em maior quantidade nos próprios oceanos e em regiões litorâneas. Nas áreas continentais a maior contribuição das chuvas ocorre de maneira diferente, já que não há tanta presença de sal na atmosfera o papel higroscópico é interpretado por moléculas orgânicas que são liberados pela vegetação e por isso contribuem para a formação de chuvas no continente. Por isso é bastante discutido impacto do desmatamento na distribuição das chuvas e suas problemáticas econômicas e sociais provocadas pela escassez das chuvas.

Disponibilidade hídrica

A água proveniente das chuvas pode infiltrar no solo, abastecendo assim os lençóis freáticos que vão originar as nascentes e liberar água para os rios lentamente, provocando uma distribuição equilibrada de água fluvial (água dos rios) durante todo o ano, essa distribuição equilibrada nos previne de enchentes e garante que tenhamos água durante todo o ano para beber, irrigar plantações, gerar energia elétrica, transporte de detritos e promover a manutenção da vida de diversos seres vivos.

Historicamente no brasil regiões que não passavam por problemas de seca acabaram encarando a sede, um exemplo é a crise no sistema cantareira, na região metropolitana de São Paulo que há anos opera em regime de baixa, grandes crises assim não se resumem à uma única causa, há outros fatores relacionados como a super densidade populacional. Mas deve ser ressaltado que ao redor de grandes populações, como no sudeste do brasil, é relevante a baixa cobertura florestal sobre as bacias hidrográficas, como dito anteriormente, as florestas não servem somente para formar as nuvens de chuva, mas também para facilitar a infiltração de água no solo.

Ilustração da infiltração de água no solo que é favorecida quando há cobertura vegetal. No lado esquerdo está um solo com nenhuma cobertura florestal, este apresenta menos água armazenada no solo, já no lado direito encontra-se um solo com cobertura vegetal, este apresenta mais água armazenada no solo

Isso ocorre pois as raízes formam galerias subterrâneas para permitir a passagem de água. A serapilheira, proveniente das folhas, galhos e sementes caídas, permite maior rugosidade no solo, o que desacelera o escoamento de água. E a copa das árvores com todas as suas folhas desaceleram cada gota de chuva, permitindo que a água tenha mais tempo para infiltrar no solo.

Nos ambientes antropisados, onde não há cobertura florestal, como as cidades e o campo, há menor infiltração no solo e a maioria da água escorre para as regiões mais baixas, prejudicando o provimento de água durante os meses mais secos do ano, já que essa água corre rapidamente para os rios, provocando o enchentes em áreas urbanizadas e secas nos períodos de estiagem. No campo, o escoamento acelerado de água acaba levando os nutrientes do solo, sendo responsável por empobrecer as culturas, quando não seguidas boas práticas de manejo e plantio, acabam também causando erosões do solo, dificultando a produção.

Através dos rios a água vai parar nos oceanos, tornando-se inviável ao consumo humano. Uma menor parte é evaporada, transpira pelos seres vivos ou passa por processos antrópicos para ser liberada para a atmosfera e dar novamente início ao ciclo hidrológico.

Além dos rios, as geleiras também provém água aos oceanos através de seu derretimento, este fenômeno tem se acelerado nos últimos anos em função do aquecimento global causado pela aumento na liberação de gases de efeito estufa na atmosfera e tem sérias implicações globais à perda de habitat, mudança em correntes marítimas que direcionam a vida de diversos seres vivos, aumento no nível do mar e consequentemente inundações litorâneas.

Mapa mental:

Mapa mental sobre o ciclo hidrológico

REFERÊNCIAS:

Conhecer o OCEANO. Oceano exerce uma influência importante no clima. Disponível em: <https://www.cienciaviva.pt/oceano/principios/principio3/ >. Acesso em: 23 abr. 2020.

ESTADÃO. Pesquisa desvenda como nuvens de chuva se formam na amazônia. Disponível em: <https://ciencia.estadao.com.br/noticias/geral,pesquisa-desvenda-como-nuvens-de-chuva-se-formam-na-amazonia,10000084124>. Acesso em: 19 mar. 2020.

FIORAVANTI, C. Enchentes: as águas encontram saídas. Pesquisa FAPESP, n. 103, set./2004. Disponível em: <https://revistapesquisa.fapesp.br/2004/09/01/enchentes-as-aguas-encontram-saidas/ >. Acesso em: 20 mar. 2020.

FOLHA DE S. PAULO. Alta do nível do mar pode afetar mais de 1 milhão de brasileiros. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2019/10/alta-do-nivel-do-mar-pode-afetar-mais-de-1-milhao-de-brasileiros.shtml >. Acesso em: 20 mar. 2020.

G1. Sistema cantareira opera com 39% da capacidade e mantem estado de alerta. Disponível em: <https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2018/08/18/sistema-cantareira-opera-com-39-da-sua- capacidade-e-mantem-estado-de-alerta.ghtml >. Acesso em: 19 mar. 2020.

GRECCO, Felipe T. Coletor de Orvalho Warka Water:sua aplicabilidade e exploração de uma fonte de água alternativa. 2015. 51f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Engenharia Civil) –Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Campo Mourão, 2015.

MOIOLI, Julia. Existe mesmo a dança da chuva? 2018. Disponível em: <https://super.abril.com.br/mundo-estranho/existe-mesmo-a-danca-da-chuva/ >. Acesso em: 23 abr. 2020.

PORTILHO, Gabriela. O que é mais eficiente para secar roupas: muito vento ou muito sol? 2018. Disponível em: <https://super.abril.com.br/mundo-estranho/o-que-e-mais-eficiente-para-secar- roupas-muito-vento-ou-muito-sol/ >. Acesso em: 23 abr. 2020.

SAMANTHA. Por que a roupa que está no varal seca? 2011. Disponível em: <http://meteoropole.com.br/2011/10/por-que-a-roupa-que-esta-no-varal-seca/#comment-164919 >. Acesso em: 23 abr. 2020.

Referencie este artigo em seu trabalho

Basta copiar a referência pronta abaixo e alterar somente a data de acesso para o dia de hoje.

SOUZA, G. J. B. Ciclo hidrológico, disponibilidade hídrica e conservação do solo e da água. Ciência Completa, 2020. Disponível em: <https://cienciacompleta.gitlab.io/atg/ciclo-hidrologico-conservacao-solo-agua.html >. Acesso em: ??(dia) de ??(mês) de ??(ano).